sexta-feira, 10 de maio de 2013


é uma conta sem fim: o artista que se pinta pintando que se pinta pintando que se pinta... e por aí vai. pois se o nariz de palhaço de cada um é o que chega antes, todo pranto, desdém ou ar blasé, esconde atrás outro nariz de palhaço sobre outro pranto, desdém e ar blasé atrás de... ufa! num clique, porém, o artista, não menos hilário e complexo que sua “obra”, Márcio Nunes, captou tudo que pode conter o ridículo de se despir, em todas as acepções da palavra, diante de uma câmera. de posse apenas da tristeza e do secular artifício clownesco, nesse caso um nariz negro em sinal de luto, os amigos do fotógrafo, além do próprio – foto da foto da foto etc. – encararam a lente para um inusitado ensaio sobre a alma humana. como uma espécie de preparador de elenco, sem os requintes de crueldade de uma Fátima Toledo, é claro, mas com a persistência de quem, por conhecimento, sabe como arrancar o “melhor” de cada “ator”, Márcio registrou em seu estúdio, diferentes “interpretações”, através de rituais, os mais diversos. conta-se, por exemplo, que uma famosa atriz (atriz mesmo!), já embriagada, ousou lanhar-se toda, possuída da emoção de sua “cena”. à exceção da regra, teve moça que preferisse não cobrir os seios com as mãos e marmanjo se recusando a tirar a camisa. houve ainda quem se debulhasse em lágrimas, algumas expressões sisudas e até semissorrisos. não se trata, pois, de um retrato fiel da angústia, mas um flagrante daquilo que não se revela, a imagem subliminar entre uma e outra pose. não o que é invisível a olho nu, mas o próprio olho nu quando distraído de si. quem, no entanto, como este que vos fala, por timidez ou vaidade (no fundo a mesma coisa!), encarou tudo como uma aventura estética, desviou do próprio olhar, recorreu ao cigarro e não se permitiu ver exposto o íntimo de sua alma, certamente se saiu bem na foto... e bancou o palhaço, o que já não é pouco!



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário